quinta, 22 de fevereiro, 2024

Bitcoin

A+ A-

Fidelity e Bank of America tornam-se proprietários indiretos de Bitcoin (BTC)

Ações adquiridas da MicroStrategy pelas intuições tornaram os grandes bancos americanos detentores, mesmo que indiretamente, do ativo

terça, 11 de abril, 2023 - 10:55

Redação MyCryptoChannel

As instituições Fidelity e Bank of America tornaram-se proprietários indiretos de Bitcoin (BTC) após as duas empresas acumularam ações da MicroStrategy (MSTR) no primeiro trimestre deste ano.


A MicroStrategy é a maior detentora institucional de Bitcoin, possuindo 140.000 moedas.


Este investimento dá aos bancos, mesmo que indiretamente, a propriedade do ativo. Segundo a CNN, o Bank of America é o quarto maior acionista da MicroStrategy. Subindo posições após o banco comprar dezenas de milhões de dólares em MSTR no primeiro trimestre.


Segundo a CNN, o Bank of America tem uma participação de 2,37% na MicroStrategy, possuindo 226.980 ações no valor de mais de US$ 59,53 milhões.


Enquanto isso, a Fidelity é a nona maior detentora de MSTR com uma participação de 1,01% na empresa de inteligência de negócios.

Bitcoin

Participações em Bitcoin (BTC) da MicroStrategy ultrapassam US$ 10 bilhões

Empresa acumula 190 mil BTCs em portfólio

quinta, 15 de fevereiro, 2024 - 14:00

Redação MyCryptoChannel

Continue Lendo...

A MicroStrategy, empresa de software de inteligência empresarial, atingiu um marco significativo em seu portfólio de Bitcoin (BTC), com o valor total ultrapassando US$ 10 bilhões na quinta-feira (15). Essa conquista foi impulsionada pela alta do preço do Bitcoin, que atingiu quase US$ 53 mil no mesmo dia. 

De acordo com a última atualização da empresa, a MicroStrategy possui 190 mil Bitcoins em seu portfólio. O preço da maior criptomoeda do mundo subiu para US$ 52.803 às 9h56 ET de quinta-feira, de acordo com a The Block Price Page. Essa alta elevou o valor total das participações da MicroStrategy em Bitcoin para mais de US$ 10 bilhões. 

Em janeiro, a MicroStrategy adquiriu 850 Bitcoins adicionais por US$ 37,2 milhões, conforme anunciado por Michael Saylor, fundador e presidente da empresa. Essa aquisição estratégica demonstra a confiança que a empresa construiu nos últimos anos com o criptoativo. 

O mercado de Bitcoin vivenciou oscilações durante grande parte de janeiro, influenciado pelo lançamento de diversos ETFs de Bitcoin à vista por instituições financeiras tradicionais como BlackRock e Fidelity. Apesar das flutuações de curto prazo, a MicroStrategy se mantém firme em sua estratégia de acumulação de Bitcoin.  

Bitcoin

Bitcoin (BTC) é negociado acima US$ 52 mil com alta de 16% na semana

Aumento do interesse e liquidez sinalizam otimismo no mercado

quinta, 15 de fevereiro, 2024 - 11:07

Redação MyCryptoChannel

Continue Lendo...

O Bitcoin (BTC) deu um salto na manhã desta quinta-feira (15), ultrapassando a marca de US$ 52 mil pela primeira vez desde maio de 2022. Esse movimento positivo acompanha um aumento no interesse e na liquidez do mercado, alimentando o otimismo entre os investidores. 

 

 

No momento em que este artigo foi escrito, o preço do Bitcoin era de US$ 52.319,90, o que representa um ganho de 1,1% em relação ao dia anterior e um aumento de 16,5% na última semana. Já o volume de negociação também registrou ganhos, com US$ 36 bilhões em BTC trocando de mãos nas últimas 24 horas, de acordo com dados da CoinMarketCap. 

 

 

Os mercados de derivativos de Bitcoin também estão em alta. A quantidade de contratos em aberto em contratos de Bitcoin subiu para US$ 24 bilhões, aproximando-se do recorde histórico de US$ 24,27 bilhões atingido em abril de 2021, segundo dados da CoinGlass. 

 

 

O crescente interesse em contratos em aberto está acompanhado pelo aumento da liquidez nas exchanges, de acordo com a empresa de análise de blockchain Kaiko. A empresa reportou no Twitter que a liquidez está crescendo no ritmo mais rápido dos últimos anos. 

 

 

 

Outro fator importante é o fluxo de BTC para ETFs de Bitcoin. Atualmente, há cerca de 10 vezes mais BTC detidos por custodiantes para respaldar ações de ETF Bitcoin do que novos BTC entrando no mercado por meio da mineração, destacou Cameron Winklevoss, cofundador da Gemini, em seu Twitter.