domingo, 16 de junho, 2024

Blockchains

A+ A-

Brasil discute transição da administração pública para blockchains

Descubra como tecnologia pode facilitar processos de administração do país

terça, 26 de setembro, 2023 - 15:14

Redação MyCryptoChannel

Atualmente, a administração pública do Brasil acontece de maneira tradicional, com papéis e arquivos em cartórios de todo o país. Porém, a tecnologia blockchain pode ser um grande aliado para facilitar todos esses processos. Nos últimos anos, essa parceria é discutida pelos órgãos governamentais visando criar uma corrente de dados públicos de maneira confiável.  

 

Discussões no Brasil 

Na última quarta-feira (20), na Comissão de Ciência, Tecnologia e Inovação da Câmara dos Deputados aconteceu uma audiência pública para discutir a aplicação do blockchain na administração pública do Brasil. A audiência foi realizada pelo deputado federal Caio Vianna (PSD) que estuda a tecnologia desde 2013.

 

O maior objetivo seria aumentar a transparência, eficiência e segurança das operações governamentais, reduzindo a burocracia e os custos associados à gestão pública”, afirma o deputado. 

 

Para Vianna, essa migração da dos sistemas convencionais da administração pública tradicional “envolveria a digitalização de processos e registros governamentais para uma infraestrutura baseada em blockchain , idealmente compartilhada pelos órgãos governamentais”. 

 

Essa mudança trará benefícios em diversas áreas da sociedade brasileira. Segundo o deputado do PSD, essa mudança traria “maior transparência, rastreabilidade e automação de processos, reduzindo a corrupção e a burocracia” para o governo. Ele afirma que ainda haveria uma     “melhoria significativa na eficiência”, já que o compartilhamento de dados evitaria retrabalho e tornaria “a dinâmica de execução das tarefas mais inteligentes”.

 

O palestrante e autor do "Livro Secreto das Redes Sociais", Juliano Kimura, diz que para os órgãos governamentais essa migração pode trazer mais transparência, pela tecnologia blockchain possibilitar “um sistema mais transparente, não fraudulento, auditável e inviolável”. 

 

Por outro lado, pensando na população, Kimura afirma que essa mudança seria como um Poupatempo 3.0, pois isso facilitaria muito a vida das pessoas, desde cartórios até idas e vindas no Poupatempo”. “Um sistema em blockchain poderia diminuir a burocracia e tornar ela mais fluída e transparente”, completou o palestrante. 

 

Já para o CEO da Digitra.com, Rodrigo Batista, os brasileiros conseguiriam receber os dados com mais segurança. “Para a população, haveria maior confiança de que dados importantes são mantidos de forma segura”, destacou Batista. 

 

Batis também traz a questão como essa migração poderia trazer uma economia de recursos em processos públicos. “Para o governo, a adoção da tecnologia blockchain e seus desdobramentos pode significar economia de recursos públicos, antes gastos com a manutenção de sistemas ultrapassados”, completou o CEO da Digitra.com. 

 

Combate à corrupção com blockchain

Outro ponto levantado sobre essa migração é quando a tecnologia poderia auxiliar em processos de combate à corrupção. O deputado Caio Vianna aponta que pelas características do blockchain seria mais fácil identificar atividades suspeitas para investigação de corrupção. 

 

O blockchain é imutável, a prova de adulteração, e permite o registro transparente de todas as transações. Isso significa que as atividades suspeitas podem ser mais facilmente rastreadas e verificadas, tornando as investigações de corrupção mais eficazes”, completou Vianna.  

 

O deputado ainda ressalta que a modernização dos sistemas tradicionais da administração pública podem melhorar a “confiança no ambiente de negócios do país, atraindo investidores e impulsionando o crescimento econômico”.

 

Em outro ponto da economia brasileira, Vianna afirma que “a eficiência operacional resultante do blockchain pode reduzir custos governamentais, liberando recursos para investimentos em outras áreas, o que pode contribuir para o crescimento econômico interno”.

 

Transição dolorosa e lenta

Apesar dos benefícios dessa migração, ainda há desafios para que essa transição aconteça completamente. O CEO da Digitra.com diz que essa transformação deve acontecer gradualmente. “Contudo, novas abordagens devem se tornar mais comuns, com os dois sistemas coexistindo até que o blockchain seja predominante”, completa Batista.

 

Além disso, haveria alguns problemas que poderiam dificultar o processo. “Alguns desafios, como o de transpor informações de um sistema para o outro de forma confiável, podem atrasar a adoção da nova tecnologia”, ressaltou Batista. 

 

Enquanto isso, Kimura diz que “essa transição será dolorosa e lenta”. Mas de uma maneira otimista, segundo o palestrante, “há especialistas e estudiosos que dizem que uma nova crise será necessária. Uma crise força as pessoas a se atualizarem e buscarem soluções melhores e mais confiáveis. Sem a crise, o caminho é longo e cheio de traumas”.

 

Ele ainda afirma que essa transição só acontecerá com muita educação e conhecimento. Para o palestrante, essa inovação é “algo construído para nossos netos e bisnetos”. 


 

Blockchains

Rede Blockchain Brasil, do BNDES, chegará em agosto

Piloto já contará com alguns casos de uso práticos, como diploma digital e cadeia de custódia de provas

quarta, 15 de maio, 2024 - 18:52

Redação MyCryptoChannel

Continue Lendo...

A Rede Blockchain Brasil, iniciativa do BNDES para impulsionar a tecnologia blockchain no país, está pronta para avançar nos próximos meses. O lançamento da versão piloto está previsto para agosto, em um evento na sede do Tribunal de Contas da União (TCU) em Brasília.  

Segundo cobertura do Portal do Bitcoin, o especialista em blockchain do banco de desenvolvimento, Gladstone Arantes, confirmou a informação durante o evento Ethereum Rio na terça-feira-feira (14). A plataforma já contará com alguns casos de uso práticos, como diploma digital e cadeia de custódia de provas. 

“Espero que até agosto, além da infraestrutura, a gente já esteja rodando com algumas aplicações. Mas é bom observar: quem vai construir as aplicações não é o BNDES. A Rede é uma infraestrutura que estará ali, para que em cima dela os interessados façam as aplicações”, conta Arantes.  

Entre os casos de uso em fase inicial, Arantes destaca um projeto de cadeia de custódia de provas, que poderá, por exemplo, pegar óleo encontrado na praia e mostrar que teve alguma adulteração e coisas dessa ordem”. 

A Rede Blockchain Brasil conta com a participação de diversos membros validadores, incluindo o BNDES, TCU, Dataprev, Prodemge (Companhia de Tecnologia da Informação do Estado de Minas Gerais), Secretaria de Estado de Transparência e Controle (STC) do Maranhão, município de Araguaína (TO), PUC do Rio de Janeiro, Centro de Pesquisa e Desenvolvimento em Telecomunicações (CPQD) e Rede Nacional de Ensino e Pesquisa (RNP). 

Blockchains

Mastercard escolhe 5 startups para programa de blockchain e ativos digitais

Programa existe desde 2014 e já apoiou mais de 400 startups

quarta, 15 de maio, 2024 - 15:34

Redação MyCryptoChannel

Continue Lendo...

A Mastercard anunciou a seleção de cinco startups para participar do programa Start Path de blockchain e ativos digitais. O programa visa conectar a empresa com especialistas do setor e startups fintech para explorar casos de uso de blockchain e ativos digitais para solucionar problemas do mundo real.  

Em um comunicado de imprensa divulgado nestaa quarta-feira (14), a Mastercard destacou sua experiência na construção de uma rede global de pagamentos baseada em cartões. Essa experiência posiciona para conectar startups com casos de uso específicos de dinheiro regulamentado, depósitos bancários, stablecoins e CBDCs.  

A empresa disse que “desde que o programa foi fundado em 2014, a Mastercard apoiou mais de 400 startups de 54 países”.  

As startups escolhidas para o programa são: Kulipa, uma empresa francesa que facilita a emissão de cartões de pagamento criptografados para carteiras digitais; Peaq, startup de Cingapura que fornece infraestrutura digital sem permissão e sem fronteiras para aplicações do mundo real e a startup britânica Parfin que desenvolve produtos de software de nível empresarial para permitir que instituições financeiras adotem trilhos blockchain.  

Além disso, participam do programa a Triangle, startup americana que prioriza a sustentabilidade por meio de uma plataforma de dados que combina dados climáticos com finanças; e a startup belga Venyl que simplifica a integração de blockchain para desenvolvedores e empresas para apoiar o crescimento da indústria e a transformação digital.