domingo, 16 de junho, 2024

Criptomoedas

A+ A-

Cartões de criptomoedas podem ser o futuro do pagamento digital no Brasil?

Falta de regulamentação e volatilidade dos ativos podem desafiar nova mobilidade no país

terça, 31 de outubro, 2023 - 16:02

Ana Beatriz Rodrigues

No Brasil, foram emitidos cerca de 450 milhões de cartões de crédito e débito nos últimos dez anos, segundo relatório do Dinheiro Sem Plástico. Além disso, o Serviço de Proteção ao Crédito (SPC) apontou que 52 milhões de brasileiros usam o cartão de crédito como forma de pagamento.

 

Esses dados apontam para a dependência da população do Brasil para cartões. Nesse contexto, surgem os cartões de criptomoedas, que podem armazenar os criptoativos dos brasileiros e se tornarem uma alternativa para cartões convencionais.  

 

Como funciona um cartão de criptomoeda? 

Esse novo modelo pode ser usado da mesma maneira que os cartões tradicionais. Um levantamento da Binance de junho mostra que os locais no qual os brasileiros mais usam essa forma de pagamento são em supermercados e em pequenos mercados. 

 

O vice-presidente, chefe de inovação e design da Visa, Akshay Chopra, disse em entrevista no início de outubro de 2023 que os cartões com criptoativos viabilizaram o volume de US$ 3 bilhões em pagamentos.

 

A maior diferença entre essas modalidades é que o cartão tradicional são baseados em moedas fiduciárias, como o real brasileiro e o dólar. Em contrapartida, a outra tecnologia utiliza as criptomoedas para fazer os pagamentos. Esse novo método pode trazer diversas vantagens para os usuários. 

 

A professora de contabilidade da ESEG (Faculdade do Grupo Etapa), Marina Prieto, conta que o pagamento com esses cartões funcionam de modo bem simples. Ela disse que “uma vez que as criptomoedas estão na carteira associada ao cartão, os usuários podem usá-lo para fazer compras em estabelecimentos que aceitam cartões de débito ou crédito”.

 

O valor da compra é automaticamente convertido em moeda fiduciária no momento da transação, permitindo que você gaste suas criptomoedas como se fosse dinheiro tradicional”, completou Marina. 

 

Para ter um cartão de criptomoedas, os usuários precisam se cadastrar em empresas que oferecem esse serviço. Desse modo, eles também precisam ter criptomoedas para realizar as transações em comércios. 

 

Marina explica que “os usuários podem verificar o saldo de criptomoedas em sua carteira associada ao cartão e recebem extratos de transações, que incluem detalhes sobre as conversões de criptomoedas em moeda fiduciária. Quando o saldo de criptomoedas fica baixo, os usuários podem carregar sua carteira associada ao cartão com mais criptomoedas”.

 

Modalidade no Brasil 

Segundo a professora de contabilidade da ESEG, essa modalidade poderia auxiliar no crescimento econômico do Brasil. 

 

Em relação à economia brasileira, os cartões de criptomoedas podem ajudar a incentivar o uso de criptomoedas no país, o que poderia facilitar transações internacionais, atrair investimentos estrangeiros e proporcionar opções financeiras alternativas”.

 

Apesar das vantagens da nova forma de pagamento, os cartões de criptomoedas não estão inseridos em um cenário otimista no Brasil. Em agosto deste ano, a Binance anunciou que encerraria o serviço no território brasileiro. Além disso, os cartões Binance Card não seriam mais fornecidos em toda a América Latina e Oriente Médio. 

 

Marina ressalta que existem muitos desafios associados ao uso da tecnologia do Brasil. Para ela, a falta de clareza regulatória no país pode afetar esse crescimento que poderia ser vantajoso.

 

A falta de regulamentação clara pode criar incerteza e riscos para os usuários de cartões de criptomoedas, a volatilidade das criptomoedas pode tornar o uso de cartões de criptomoedas arriscado para gastos cotidianos e uma aceitação limitada, pois muitos estabelecimentos ainda não aceitam criptomoedas como forma de pagamento, o que limita a utilidade desses cartões”, explicou. 

 

A professora de contabilidade da ESEG (Faculdade do Grupo Etapa) diz que o futuro dos cartões de criptomoedas no Brasil depende da evolução das regulamentações governamentais e da aceitação generalizada de criptomoedas na sociedade brasileira. 

 

À medida que as criptomoedas se tornam mais comuns e as regulamentações se estabelecem, é possível que os cartões de criptomoedas desempenhem um papel mais significativo na economia do país”, completou. 

 

O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, afirmou que o mercado de cartões passará por mudanças nos próximos anos no Brasil. Neto explicou sobre o Pix, o Drex e outras iniciativas do BC.

Criptomoedas

Terraform Labs concorda em pagar US$ 4,47 bilhões à SEC

Do Kwon, ex-CEO da Terraform Labs, assume a responsabilidade por uma parcela significativa das reparações

quarta, 12 de junho, 2024 - 18:10

Redação MyCryptoChannel

Continue Lendo...

Em um acordo com a Comissão de Valores Mobiliários dos Estados Unidos (SEC), a Terraform Labs, empresa responsável pelo desenvolvimento do ecossistema Terra (LUNA), concordou em pagar aproximadamente US$ 4,47 bilhões em reparações.  

O acordo visa reparar os danos causados aos investidores pelo colapso do TerraUSD (UST) e da Luna (LUNA). As reparações totais incluem multas de restituição de aproximadamente US$ 3,6 bilhões, uma multa civil de US$ 420 milhões e juros de pré-julgamento de quase US$ 467 milhões. 

O ex-CEO da Terraform Labs, Do Kwon, assume a maior parte da responsabilidade financeira, sendo responsável por US$ 110 milhões em multas de restituição, US$ 80 milhões em multas civis e aproximadamente US$ 14,3 milhões em multas de juros de pré-julgamento.  

Segundo o pedido de acordo, "o pagamento das reparações monetárias contra Kwon será considerado satisfeito, desde que todas as transferências de Kwon para a SEC e para o espólio de falência da Terraform no Caso de Falência totalizem não menos que US$ 204.320.196”.  

Além disso, todos os criptoativos pertencentes à Luna Foundation Guard e as participações em tokens Pyth Network (PYTH) de Kwon serão transferidos para cobrir o custo das multas de restituição e juros de pré-julgamento. 

A SEC processou a Terraform Labs em 2023. A acusação dizia que a empresa e seu fundador, Do Kwon, venderam valores mobiliários não registrados e enganaram os investidores quanto à estabilidade do UST e da LUNA. 

  

Criptomoedas

Itaú expande acesso a criptomoedas para todos os clientes do Íon

Banco amplia negociação de Bitcoin (BTC) e Ethereum (ETH), antes disponível somente para usuários selecionados

segunda, 10 de junho, 2024 - 19:20

Redação MyCryptoChannel

Continue Lendo...

O banco Itaú anunciou nesta segunda-feira (10) que os clientes da plataforma Íon agora podem comprar Bitcoin (BTC) e outras criptomoedas diretamente pela interface do banco. Inicialmente, apenas Bitcoin e Ethereum (ETH) estarão disponíveis para negociação. 

Em dezembro de 2023, a compra de criptomoedas pelo Itaú foi liberada apenas para um seleto grupo de usuários.  “Estamos muito contentes com a jornada de criptoativos que estamos construindo junto aos nossos clientes”, disse o head da Itaú Digital Assets, Guto Antunes.  

“A abertura de negociação para todos os usuários íon reflete não só a evolução do nosso produto, como também do mercado como um todo. Continuaremos ao lado dos nossos clientes oferecendo o atendimento e segurança Itaú, em uma jornada intuitiva e fácil dentro do universo cripto”, completou Antunes.  

O anúncio desta segunda-feira se alinha a um recente relatório da Finery Markets, em parceria com a Coincub.com, que identificou o Itaú como um dos principais bancos do mundo mais receptivos às criptomoedas. 

Renato Eid Tucci, superintendente de estratégias indexadas e investimento responsável da Itaú Asset, comentou sobre o potencial do Bitcoin como um ativo de investimento.  

"Quando refletimos sobre nossos investimentos mirando o médio/longo prazo, o papel do Bitcoin vem sendo reforçado pela diversificação, escassez, maior usabilidade, ecossistema mais robusto, queda da volatilidade e sua descorrelação em comparação com os ativos de risco tradicionais”.