domingo, 16 de junho, 2024

Criptomoedas

A+ A-

Herança digital: o que acontece com NFTs e Bitcoins após morte do proprietário?

Sócias-fundadoras da Go Digital Factory explicam processos para deixar e recuperar heranças digitais

quinta, 06 de abril, 2023 - 15:34

Redação MyCryptoChannel

De acordo com estudo feito pelo Cremation Institute, 90% dos donos de criptomoedas estão preocupados com o que vai acontecer às suas criptomoedas depois da morte. No entanto, boa parte dos investidores não se preocupam com sua herança digital.

Criptos são formas de patrimônio ainda muito novas no mercado e por essa razão muitas leis e ações em relação a essas moedas seguem sem uma definição clara.

Segundo Adriana Molha, sócia-fundadora da Go Digital Factory, empresa que desenvolve soluções para educar pessoas e companhias sobre Web3, Metaverso e a nova geração de tecnologias por meio de workshops, palestras, conteúdo e podcast, os termos de acordo de serviço nos Estados Unidos já indicam como o controle daquele bem vai além do proprietário. 

Em alguns casos, Adriana afirma que já é possível planejar quem terá acessos aos bens da herança digital. “No entanto, é importante reforçar que acesso não é o mesmo que posse. Especificamente na legislação americana, o acesso à conta limita-se exatamente a isso. É o que acontece com o iTunes e o Kindle: não é possível transmitir as músicas e os livros aos herdeiros”, explica.

No Brasil, a situação é diferente. De acordo com Ana Wadovski, sócia-fundadora da empresa, já é possível notificar as empresas de criptomoedas com um pedido judicial. Essa ação faz com que as empresas informem quais foram os investimentos realizados pelo falecido, sendo possível saber quais criptomoedas foram compradas, a quantidade e se há saldo em moeda fiat. Assim, os herdeiros podem pedir que a herança digital seja incluída no inventário do falecido. 

Sobre NFTs e Bitcoins, Ana explica que existem casos de pessoas que morreram e deixaram verdadeiras fortunas. “O investidor romeno Mircea Popescu teria deixado o equivalente a US$ 162 bilhões em bitcoins após sua morte na Costa Rica. Nenhum familiar ou amigo de Mircea possuía acesso às suas chaves privadas e credenciais de acesso. Logo, estes Bitcoins teriam ficado completamente perdidos”, conclui.

Criptomoedas

Terraform Labs concorda em pagar US$ 4,47 bilhões à SEC

Do Kwon, ex-CEO da Terraform Labs, assume a responsabilidade por uma parcela significativa das reparações

quarta, 12 de junho, 2024 - 18:10

Redação MyCryptoChannel

Continue Lendo...

Em um acordo com a Comissão de Valores Mobiliários dos Estados Unidos (SEC), a Terraform Labs, empresa responsável pelo desenvolvimento do ecossistema Terra (LUNA), concordou em pagar aproximadamente US$ 4,47 bilhões em reparações.  

O acordo visa reparar os danos causados aos investidores pelo colapso do TerraUSD (UST) e da Luna (LUNA). As reparações totais incluem multas de restituição de aproximadamente US$ 3,6 bilhões, uma multa civil de US$ 420 milhões e juros de pré-julgamento de quase US$ 467 milhões. 

O ex-CEO da Terraform Labs, Do Kwon, assume a maior parte da responsabilidade financeira, sendo responsável por US$ 110 milhões em multas de restituição, US$ 80 milhões em multas civis e aproximadamente US$ 14,3 milhões em multas de juros de pré-julgamento.  

Segundo o pedido de acordo, "o pagamento das reparações monetárias contra Kwon será considerado satisfeito, desde que todas as transferências de Kwon para a SEC e para o espólio de falência da Terraform no Caso de Falência totalizem não menos que US$ 204.320.196”.  

Além disso, todos os criptoativos pertencentes à Luna Foundation Guard e as participações em tokens Pyth Network (PYTH) de Kwon serão transferidos para cobrir o custo das multas de restituição e juros de pré-julgamento. 

A SEC processou a Terraform Labs em 2023. A acusação dizia que a empresa e seu fundador, Do Kwon, venderam valores mobiliários não registrados e enganaram os investidores quanto à estabilidade do UST e da LUNA. 

  

Criptomoedas

Itaú expande acesso a criptomoedas para todos os clientes do Íon

Banco amplia negociação de Bitcoin (BTC) e Ethereum (ETH), antes disponível somente para usuários selecionados

segunda, 10 de junho, 2024 - 19:20

Redação MyCryptoChannel

Continue Lendo...

O banco Itaú anunciou nesta segunda-feira (10) que os clientes da plataforma Íon agora podem comprar Bitcoin (BTC) e outras criptomoedas diretamente pela interface do banco. Inicialmente, apenas Bitcoin e Ethereum (ETH) estarão disponíveis para negociação. 

Em dezembro de 2023, a compra de criptomoedas pelo Itaú foi liberada apenas para um seleto grupo de usuários.  “Estamos muito contentes com a jornada de criptoativos que estamos construindo junto aos nossos clientes”, disse o head da Itaú Digital Assets, Guto Antunes.  

“A abertura de negociação para todos os usuários íon reflete não só a evolução do nosso produto, como também do mercado como um todo. Continuaremos ao lado dos nossos clientes oferecendo o atendimento e segurança Itaú, em uma jornada intuitiva e fácil dentro do universo cripto”, completou Antunes.  

O anúncio desta segunda-feira se alinha a um recente relatório da Finery Markets, em parceria com a Coincub.com, que identificou o Itaú como um dos principais bancos do mundo mais receptivos às criptomoedas. 

Renato Eid Tucci, superintendente de estratégias indexadas e investimento responsável da Itaú Asset, comentou sobre o potencial do Bitcoin como um ativo de investimento.  

"Quando refletimos sobre nossos investimentos mirando o médio/longo prazo, o papel do Bitcoin vem sendo reforçado pela diversificação, escassez, maior usabilidade, ecossistema mais robusto, queda da volatilidade e sua descorrelação em comparação com os ativos de risco tradicionais”.