sábado, 02 de março, 2024

Criptomoedas

A+ A-

Confira efeitos do colapso do Banco do Vale do Silício para criptomoedas

Mesmo com medidas de socorro anunciadas pelo Fed, falências causaram grande tumulto no mercado financeiro internacional

quarta, 05 de abril, 2023 - 16:36

Redação MyCryptoChannel

Três instituições financeiras de médio porte - Silicon Valley Bank (SVB),Silvergate Bank e Signature Bank - colapsaram após perderem a confiança de seus depositantes e ficarem insolventes no final de março - isso é, não poderem liquidar os fundos dos clientes que desejarem efetuar saques ou transferências.

Mesmo com as medidas de socorro anunciadas pelo Federal Reserve (Fed), as falências causaram um grande tumulto no mercado financeiro internacional, e o setor de tecnologia foi especialmente atingido. 

O Silvergate e o Signatures, por exemplo, estavam entre os principais provedores de serviços bancários para empresas de criptomoedas nos Estados Unidos. Segundo a Chainalysis, plataforma líder global em pesquisa e análise de blockchain, é importante destacar que, apesar do duro golpe, dificilmente o ecossistema cripto voltará aos padrões da última década em termos de conseguir parceiros bancários. 

O SVB, por sua vez, era um dos principais provedores de contas bancárias e de capital de risco para startups tech do Brasil. De acordo com um levantamento da Bloomberg Linea, mais de US$ 10 milhões de empresas brasileiras estavam sob custódia do banco. O SVB também fornecia serviços bancários à Circle, emissora da stablecoin USDC.

A empresa tinha aproximadamente US$ 3,3 bilhões presos no banco - equivalendo a cerca de 8% das reservas que apoiam a stablecoin. Logo depois da Circle anunciar seu grau de exposição ao SVB, o USDC perdeu a paridade, sendo avaliado abaixo de US$ 1 durante todo o fim de semana seguinte ao colapso.

Isso desencadeou uma liquidação sistêmica de várias posições em todo o ecossistema cripto. Um levantamento divulgado pela Chainalysis indicou que o volume de criptomoedas que saíram de serviços centralizados (CEXes) disparou após o início da crise, atingindo o pico de US$1.2 bilhão no dia 11 de março. “Esse aumento é algo comum durante tempos de turbulência no mercado e indica o temor dos usuários de perder o acesso a seus fundos”, explica Brianna Kernan. 

A Chainalysis deverá divulgar nas próximas semanas um novo exame deste quadro com base nos OTC (Over-the-Counter), que executam algumas das maiores transações em criptomoedas, para melhor compreender como o fechamentos dos bancos afetou a dinâmica do mercado.

SEC

Comissária da SEC critica abordagem da agência em casos de regulação das indústrias de criptomoedas

Hester Peirce comenta sobre a falta de clareza do regulador

sexta, 01 de março, 2024 - 18:07

Redação MyCryptoChannel

Continue Lendo...

Hester Peirce, comissária da Comissão de Valores Mobiliários (SEC) dos Estados Unidos, conhecida como "Crypto Mom" por seu apoio à indústria de criptomoedas, criticou a abordagem da agência para supervisionar esse mercado. Em um discurso na ETHDenver na quinta-feira (29), Peirce chamou partes da postura da SEC de "improdutivas" e "inúteis". 

A principal crítica de Peirce se concentra na falta de clareza regulatória por parte da SEC. Ela argumenta que a agência pune empresas por violações de registro relacionadas a criptomoedas, mesmo sem fornecer diretrizes claras sobre o que constitui um título. 

Ela disse que faz sentido perseguir atores envolvidos em fraudes, “mas quando você está falando sobre violações de registro, porque alguém tocou em um ativo criptográfico, então chegamos anos depois e dizemos ah, isso é um título”, disse Peirce, “parece inútil porque você está trazendo um caso contra alguém onde não há alegação de que alguém tenha sido ferido."  

Para solucionar a falta de clareza, Peirce propõe sua iniciativa de "porto seguro". Essa proposta visa oferecer um período de carência de três anos para desenvolvedores de redes criptográficas, durante o qual eles podem trabalhar em seus projetos sem se preocupar com as leis de valores mobiliários. 

Ela afirmou que a indústria precisa ter suas ideias prontas para funcionar, pois “talvez o presidente Gensler acorde amanhã de manhã e tenha uma epifania e esteja em um lugar diferente, então precisamos ter ideias na prateleira prontas para serem usadas quando isso acontecer”.  

 Outro ponto abordado por Peirce foi a aprovação de um ETF de Ethereum à vista. Ela disse que a proposta está sob consideração da SEC, mas não deu um prazo para uma decisão. 

FTX

Fundo de hedge cripto LedgerPrime ressurge com novo nome e equipe após colapso da FTX

Grupo MNNC é liderado por ex-funcionários da LedgerPrime

quinta, 29 de fevereiro, 2024 - 14:30

Redação MyCryptoChannel

Continue Lendo...

O fundo de hedge criptográfico LedgerPrime, que foi forçado a fechar após a falência da FTX, ressurgiu com um novo nome e equipe, de acordo com a Bloomberg. O novo fundo, chamado Grupo MNNC, é liderado por ex-funcionários da LedgerPrime e já levantou capital de investidores. 

A LedgerPrime foi adquirida pela FTX US em 2021. No entanto, após a falência da FTX, a LedgerPrime foi forçada a encerrar suas operações. Agora, vários ex-funcionários da LedgerPrime se uniram para formar um novo fundo. A equipe inclui Shiliang Tang, que atuou como Diretor de Investimentos da LedgerPrime. 

“O fundo de hedge multiestratégia registrado nas Ilhas Cayman levantou uma quantia não revelada de dinheiro de financiadores, incluindo aqueles que investiram na LedgerPrime, uma subsidiária da Ledger Holdings, que foi adquirida pela FTX US em 2021”, afirmou a Bloomberg. 

O Grupo MNNC é composto por 11 funcionários, a maioria ex-integrantes da LedgerPrime,. A LedgerPrime, em seu auge, administrava até US$ 400 milhões e ostentava um retorno médio anualizado de cerca de 40%,