sábado, 22 de junho, 2024

Criptomoedas

A+ A-

Confira efeitos do colapso do Banco do Vale do Silício para criptomoedas

Mesmo com medidas de socorro anunciadas pelo Fed, falências causaram grande tumulto no mercado financeiro internacional

quarta, 05 de abril, 2023 - 16:36

Redação MyCryptoChannel

Três instituições financeiras de médio porte - Silicon Valley Bank (SVB),Silvergate Bank e Signature Bank - colapsaram após perderem a confiança de seus depositantes e ficarem insolventes no final de março - isso é, não poderem liquidar os fundos dos clientes que desejarem efetuar saques ou transferências.

Mesmo com as medidas de socorro anunciadas pelo Federal Reserve (Fed), as falências causaram um grande tumulto no mercado financeiro internacional, e o setor de tecnologia foi especialmente atingido. 

O Silvergate e o Signatures, por exemplo, estavam entre os principais provedores de serviços bancários para empresas de criptomoedas nos Estados Unidos. Segundo a Chainalysis, plataforma líder global em pesquisa e análise de blockchain, é importante destacar que, apesar do duro golpe, dificilmente o ecossistema cripto voltará aos padrões da última década em termos de conseguir parceiros bancários. 

O SVB, por sua vez, era um dos principais provedores de contas bancárias e de capital de risco para startups tech do Brasil. De acordo com um levantamento da Bloomberg Linea, mais de US$ 10 milhões de empresas brasileiras estavam sob custódia do banco. O SVB também fornecia serviços bancários à Circle, emissora da stablecoin USDC.

A empresa tinha aproximadamente US$ 3,3 bilhões presos no banco - equivalendo a cerca de 8% das reservas que apoiam a stablecoin. Logo depois da Circle anunciar seu grau de exposição ao SVB, o USDC perdeu a paridade, sendo avaliado abaixo de US$ 1 durante todo o fim de semana seguinte ao colapso.

Isso desencadeou uma liquidação sistêmica de várias posições em todo o ecossistema cripto. Um levantamento divulgado pela Chainalysis indicou que o volume de criptomoedas que saíram de serviços centralizados (CEXes) disparou após o início da crise, atingindo o pico de US$1.2 bilhão no dia 11 de março. “Esse aumento é algo comum durante tempos de turbulência no mercado e indica o temor dos usuários de perder o acesso a seus fundos”, explica Brianna Kernan. 

A Chainalysis deverá divulgar nas próximas semanas um novo exame deste quadro com base nos OTC (Over-the-Counter), que executam algumas das maiores transações em criptomoedas, para melhor compreender como o fechamentos dos bancos afetou a dinâmica do mercado.

Criptomoedas

Hurst distribui lucros da cesta de criptomoedas Blue Chips

BNB atinge preço-alvo com retorno de até 141%

segunda, 17 de junho, 2024 - 19:01

Redação MyCryptoChannel

Continue Lendo...

A Hurst Capital, uma grande plataforma de ativos alternativos da América Latina, iniciou na última quarta-feira (12) a distribuição dos lucros da criptomoeda BNB aos investidores da cesta Crypto Basket Blue Chips. 

A venda da BNB, que atingiu o preço-alvo definido na estruturação do ativo, resultou em retornos que variam entre 37% e 141% ao ano, dependendo da data de entrada do investidor na operação. 

A liquidação da BNB ocorreu no dia 6 de junho, ao preço unitário de R$ 3.764,19. A estruturação se deve à seleção da Borum Finance, empresa especializada em investimentos em criptoativos que atuou como parceira da Hurst Capital na criação da cesta.  

A Borum Finance foi responsável por toda a pesquisa e estruturação da cesta, composta por seis criptomoedas: Bitcoin (BTC), Ethereum (ETH), Cardano (ADA), Solana (SOL), Polkadot (DOT) e BNB. 

Até o momento, a Hurst Capital já liquidou três criptoativos da cesta: Luna, Bitcoin e BNB. As operações com as demais criptomoedas (Ethereum, Cardano, Solana e Polkadot) ainda estão em andamento. 

“A BNB bateu o preço alvo e por esta razão a liquidação automática ocorreu, o que trouxe um ótimo retorno ajustado a risco aos investidores. Esta operação é interessante justamente porque os ativos são liquidados separadamente. Se não, poderia acontecer de na hora da liquidação, algumas moedas estarem valorizadas e outras não, reduzindo a rentabilidade”, disse Francis Wagner, Head da Borum Finance. 

 

 

SEC

Terraform Labs encerrará operações após acordo bilionário com a SEC

Empresa de blockchain entrega controle à comunidade após acordo de US$ 4,47 bilhões com a Comissão de Valores Mobiliários dos EUA

quinta, 13 de junho, 2024 - 18:45

Redação MyCryptoChannel

Continue Lendo...

O CEO da Terraform Labs, Chris Amani, anunciou na quarta-feira (12) que a empresa encerrará suas atividades após chegar a um acordo de US$ 4,47 bilhões com a Comissão de Valores Mobiliários dos Estados Unidos (SEC). 

Esse encerramento inclui a venda de projetos-chave dentro do ecossistema Terra e a transferência do controle da blockchain Terra para a comunidade. 

A Terraform Labs  "sempre teve a intenção de se dissolver em algum momento, e esse momento é agora. Vamos encerrar as operações completamente”, disse  Amani. “Estávamos bem-posicionados para acelerar as coisas se tivéssemos vencido o julgamento, mas, infelizmente, perdemos e, como resultado, não podemos mais operar." 

O acordo com a SEC implica a devolução de US$ 3,58 bilhões — desistindo dos lucros obtidos de forma ilícita ou antiética — além de uma multa civil de US$ 420 milhões. 

 A empresa decidiu encerrar suas operações sob a liderança de Amani, que assumiu o cargo após Do Kwon, em julho de 2023. Amani confirmou a intenção de queimar as participações investidas e não investidas da empresa após entrar no lugar de Do Kwon.