quinta, 22 de fevereiro, 2024

Artigo

A+ A-

Ressurgimento das NFTs é uma ótima notícia para experiências inovadoras

Modalidade de ativos podem ser usadas para estreitar laços com o público e gerar novos tipos de experiências

domingo, 09 de abril, 2023 - 11:35

Felipe Maia

Confesso: quando as NFTs se tornaram o assunto do momento no primeiro trimestre de 2021, os olhei com certo ceticismo. Com o mercado movimentando mais de US$ 200 milhões em tokens não-fungíveis no período, ainda tinha minhas dúvidas sobre como este tipo de ativo seria atrativo.

Pensei muito sobre o assunto quando li uma notícia sobre a Decentralized Autonomous Organization (DAO) ter pago US$ 3,04 milhões pela versão de Duna escrita do diretor Alejandro Jodorowsky 一, ou melhor, o livro escrito por ele para a famigerada adaptação cinematográfica da década de 1980.

Só existem vinte versões no mundo. Sim, uma raridade. O plano era transformar cada página em NFTs e usar esta verba para fazer um spin off do clássico da ficção científica 一 o ótimo filme de Denis Villeneuve acabara de ser lançado.

O grupo esqueceu de um ponto: eles não adquiriram os direitos cinematográficos de Duna e não poderiam produzir a adaptação. Quer dizer, não sem complicações legais. Por isso, a DAO se tornou piada nas redes sociais 一 embora há quem acredite que o objetivo da ação tenha sido gerar mídia, o que de fato aconteceu.

Por que estou falando disso? Foi uma maneira inovadora de usar NFTs. Não o famigerado “vender um GIF de macaco por caminhões de dinheio” que os críticos deste ativo tanto dizem de maneira pejorativa. E foi aí que minha opinião sobre o assunto começou a mudar.

E não só a minha. Segundo o estudo da Binance Research, as NFTs movimentaram US$ 24,7 bilhões no ano passado. Foi um aumento de 10% em relação a 2021, mostrando o tal do inverno cripto passando longe deste ativo.

Devin Finzer, CEO do Open Sea, disse que o principal motivo deste reaquecimento do mercado é o fato de uma ressignificação de como usar NFTs. Não é mais só uma maneira de colecionar arte, mas sim uma maneira de inovar nos negócios. Inclusive, recomendo a leitura desta entrevista dele à Época Negócios.

Fonte de receita? NFTs proporcionam experiências

Na indústria cultural, por exemplo, vejo que as NFTs podem ser usadas para estreitar laços com o público e gerar novos tipos de experiências. Claro, os artistas podem usar este tipo de ativo para vender arte como se estivessem no começo de 2021. A questão é: vale a pena?

Não acho. Criar conteúdos de bastidores, músicas exclusivas ou até a venda de direitos atuais são formas mais inteligentes de usar as NFTs 一 agregar valor ao público é sempre a maneira mais eficiente de usar a tecnologia para gerar receita.

Pegando o gancho do mundo artístico, é possível até usar NFTs para a venda de ingressos. Não preciso nem falar sobre segurança e transparência à transação porque é óbvio, mas sim de como criar uma experiência 一 pode ser acesso a setores exclusivos ou até conteúdo sob demanda. E, é claro, isso pode se aplicar a qualquer tipo de evento.

Como aprendemos na pandemia, é necessário pensar em maneiras de inovar no formato do evento. Seja presencial ou digital, não dá para fazê-lo sem tecnologia 一 e, consequentemente, como usá-la para criar experiências inovadoras.

Nos últimos anos, conversei bastante com o Lucas Longhi, CEO da plataforma para streamers IOXtream, sobre o assunto. Caso você não conheça, é uma rede de engajamento P2P que junta streamers, público e desenvolvedores para alavancar a comunidade 一 e, é claro, a solução.

A IOXtream decidiu usá-las para tornar as transmissões ao vivo dos criadores de conteúdo mais imersivas. Ou seja, eles possuem uma lista de NFTs parceiros que podem ser vendidos durante os streams 一 e, quando comprados, desencadeiam ações específicas na tela.

Entendo o receio de muitos em relação às NFTs, até porque já fui detrator do ativo. Só que não dá para negar o potencial da Web3 para gerar experiências e negócios inovadores. Novas tecnologias e paradigmas disruptivos sempre possuem valor, com o mercado sempre os direcionando para cumprir seu papel.

Foi o que aconteceu com as NFTs. E este mercado está ressurgindo para ter ainda mais impacto na sociedade. Que bom, né?

A opinião e as informações contidas neste artigo são responsabilidade do autor, não refletindo, necessariamente, a visão da MyCryptoChannel.

Exchanges

Coinbase reforça conselho consultivo global com líderes em segurança nacional

Exchange de criptomoedas busca expertise de alto nível para enfrentar desafios regulatórios nos EUA

sábado, 11 de novembro, 2023 - 12:00

Redação MyCryptoChannel

Continue Lendo...

A Coinbase, uma das principais exchanges de criptomoedas do mundo, anunciou nesta terça-feira (7) a incorporação de quatro especialistas em segurança nacional ao seu Conselho Consultivo Global, em uma jogada estratégica para enfrentar desafios regulatórios nos Estados Unidos. Entre os novos membros do conselho, destaca-se o ex-secretário de Defesa dos EUA, Dr. Mark T. Esper, cuja vasta experiência em assuntos de segurança nacional traz uma perspectiva valiosa para a plataforma.

 

As outras adições ao conselho incluem Stephanie Murphy, ex-congressista da Flórida e ex-especialista em segurança nacional do Departamento de Defesa; Frances Townsend, ex-assessora de contraterrorismo e segurança interna do presidente George W. Bush; e David Urban, um lobista que também atuou como consultor sênior na campanha presidencial de Donald Trump em 2016, além de supervisionar os assuntos corporativos da ByteDance, empresa controladora do TikTok.

 

Essa nova equipe de especialistas se junta ao ex-senador Patrick Toomey (R-PA), ao ex-congressista Tim Ryan (D-OH), ao ex-congressista Sean Patrick Maloney (D-NY), Chris Lehane, diretor de estratégia da Haun Ventures, e John Anzalone, fundador da Impact Research, que compõem o conselho formado em maio de 2023.

 

A empresa enfrenta esforços para legitimar a criptomoeda nos Estados Unidos, incluindo uma disputa em curso com a Comissão de Valores Mobiliários dos EUA (SEC) sobre títulos não registrados. No entanto, a exchange obteve a aprovação para lidar com a compra e venda de futuros pelos clientes da Comissão de Negociação de Futuros de Commodities (CFTC).

Web3

Mantle e Ondo Finance lançam token USDY apoiado por ativos reais

Parceria entre empresas traz inovação ao ecossistema web3 com um token de rendimento único

sábado, 11 de novembro, 2023 - 10:00

Redação MyCryptoChannel

Continue Lendo...

A organização Mantle, líder do ecossistema web3 descentralizado e autônomo, uniu forças com a plataforma de produtos financeiros tokenizados Ondo Finance para lançar o USDY, um token gerador de rendimento apoiado por ativos reais.

 

A introdução do token de rendimento na Mantle Network ocorre logo após o lançamento da ponte Ethereum Layer 1 para Mantle Layer 2 para o USDY, conforme anunciado em comunicado oficial. O USDY é um token Ethereum ERC-20 atualizável e já está disponível em bolsas descentralizadas associadas à Mantle, como Agni Finance e FusionX Finance.

 

Com aproximadamente 50% de participação de mercado, a Ondo Finance é uma referência no campo de títulos tokenizados, conforme apontado por um painel do Steakhouse Financial Dune Analytics. Legalmente estruturado como um instrumento ao portador tokenizado, o USDY oferece aos usuários a conveniência de embarcar diretamente na Mantle, por meio do mecanismo mint e da ponte fornecidos pela empresa.

 

O USDY representa uma alternativa sólida às stablecoins como Tether (USDT) e o USDC da Circle. Este token é lastreado por títulos do tesouro de curto prazo dos EUA e depósitos à vista bancários. Os detentores do USDY têm a oportunidade de receber um rendimento gerado pelos ativos subjacentes, na forma de acumulação de valor simbólico, conforme divulgado pela equipe por trás do projeto.

 

Além disso, a equipe da Ondo Finance planeja emitir em breve a contraparte de rebase mUSD, uma versão empacotada do USDY projetada para manter uma indexação de US$ 1, com juros distribuídos por meio de novos tokens.