quinta, 23 de maio, 2024

Cibercrimes

A+ A-

Operação Ladybug desarticula quadrilha que usava criptomoedas para lavar dinheiro do tráfico

Polícia Civil cumpriram 28 mandados de prisão e 45 de busca e apreensão

quarta, 27 de março, 2024 - 15:10

Redação MyCryptoChannel

A Polícia Civil de Pernambuco desarticulou, na terça-feira (26), uma rede de tráfico internacional de drogas que utilizava criptomoedas e empresas de fachadas para lavar dinheiro. A operação, batizada de "Ladybug", mobilizou mais de 200 policiais e alcançou oito estados brasileiros. 

Ao todo, foram cumpridos 28 mandados de prisão e 45 de busca e apreensão. A investigação revelou o esquema da quadrilha, originária de Paulista (PE). O grupo criminoso movimentava quantias milionárias: estima-se que tenham lavado mais de R$ 1,3 bilhão por meio de criptomoedas entre 2020 e 2021. 

De acordo com o delegado Adyr Almeida, líder da operação, a organização criminosa utilizava um esquema sofisticado de lavagem de dinheiro. O esquema funcionava da seguinte forma: o dinheiro obtido com o tráfico de drogas em Pernambuco era transferido para empresas de fachada no Paraná. 

“Fazendo com que essas empresas laranjas distribuíssem o dinheiro advindo do tráfico para zonas de fronteiras do Brasil, principalmente com a Bolívia, para aquisição de drogas e compra de criptoativos, fazendo com que esse dinheiro sumisse”, explicou Almeida. 

A investigação policial também revelou uma ligação da quadrilha com o sequestro e assassinato de Bianka Kauany Alves Rodrigues, de apenas 15. Segundo o delegado Ademar Cândido, responsável pelo caso da adolescente, o crime foi motivado pela disputa de território para o tráfico de drogas na região onde Bianka morava. 

 

Cibercrimes

"Bitcoin Jesus" Roger Ver foi preso na Espanha por evasão fiscal nos EUA

DOJ o acusa de sonegar US$ 50 milhões em impostos

terça, 30 de abril, 2024 - 17:25

Redação MyCryptoChannel

Continue Lendo...

O empresário de criptomoedas Roger Ver, conhecido como "Bitcoin Jesus, foi preso na Espanha nesta segunda-feira (29) a pedido do Departamento de Justiça dos EUA (DOJ). As autoridades americanas o acusam de sonegação fiscal no valor de quase US$ 50 milhões. 

Segundo o DOJ, Ver mentiu ao Internal Revenue Service (IRS) sobre a quantidade de Bitcoin (BTC) que ele e suas empresas realmente possuíam. Os federais afirmam que Ver deveria ter declarado ganhos de capital provenientes da venda de seus "ativos mundiais", incluindo Bitcoin, em suas declarações fiscais. 

No entanto, a acusação alega que, apesar de Ver e suas empresas possuírem 131 mil Bitcoins, ele forneceu ou fez com que fossem fornecidas informações incorretas ou enganosas sobre seus ativos, incluindo o Bitcoin que detinha pessoalmente, a um escritório de advocacia e a um avaliador que o auxiliaram na expatriação de sua cidadania americana. 

Ao vender o Bitcoin em 2017, Ver supostamente não informou o IRS sobre os ganhos obtidos, mesmo que os Bitcoins estivessem detidos por empresas americanas pelas quais ele era responsável, chamadas MemoryDealers e Agilestar. "No total, Ver teria causado um prejuízo ao IRS de pelo menos US$ 48 milhões", afirma a acusação. 

Os EUA solicitarão a extradição de Ver da Espanha para que ele seja julgado, de acordo com o anúncio do DOJ. 

 

Cibercrimes

Coreia do Sul planeja transformar Unidade de Fusão de Ativos Virtuais em agência permanente

Prejuízo de 5 trilhões de won nos últimos cinco anos impulsiona a medida

segunda, 29 de abril, 2024 - 18:55

Redação MyCryptoChannel

Continue Lendo...

Em resposta ao aumento de crimes relacionados a criptomoedas no país, os ministérios da Justiça e Administração Pública e Segurança da Coreia do Sul anunciarão em breve a transformação da Unidade de Fusão de Ativos Virtuais em uma agência permanente, segundo o site local Segye. 

A decisão foi tomada devido ao crescimento da criminalidade envolvendo criptomoedas, que causou um prejuízo estimado de 5 trilhões de won nos últimos cinco anos. Somente no último ano, o número de casos duplicou, evidenciando a urgência de medidas mais robustas. 

A Comissão de Serviços Financeiros informou o número de relatórios de transações suspeitas por operadores de ativos virtuais no ano passado disparou 48,8%, alcançando 16.076.  

Em resposta a essa crescente ameaça, a Coreia do Sul implementará em julho deste ano sua primeira regulamentação sobre criptomoedas, visando proteger os investidores e combater crimes no setor.  

Segundo o The Block, a nova lei prevê penalidades criminais mais rigorosas para a manipulação do mercado de criptomoedas, incluindo penas de prisão perpétua em casos extremos.